terça-feira, 21 de março de 2017

Eles "andem" aí

Ao contrário do que se está a passar na Europa, com o crescimento dos partidos da extrema direita, xenófoba e populista, em Portugal as coisas (como sempre lol) parecem ir contra a corrente. Temos um governo socialista apoiado pela esquerda, temos um dos partidos comunistas mais ortodoxo da Europa e a extrema direita está representada por partidos com pouca expressão, que nas urnas se tornam praticamente residuais.
Isto deve-se a termos uma democracia ainda jovem, conquistada numa revolução que, quer se goste ou não, ainda está bem presente na memória de uma grande parte da população, o que leva a extrema direita racista, xenófoba e populista, a viver disfarçada de centrista, no CDS-PP.
Toma e embrulha! eheheh

domingo, 19 de março de 2017

A melhor é a minha

Hoje fiz anos e éramos para levar a família a almoçar, mas a "tia" que tirou o peito há dois anos, anda em tratamentos e fomos os três sozinhos, almoçar a um restaurante na Costa Alentejana, do qual tenho ouvido gabar a caldeirada. Tanto ao amigo que nos aconselhou, como em comentários no Facebook, tenho ouvido dizer que lá comeram a melhor caldeirada do mundo.
Ou eu sou muito exigente, ou aquelas pessoas nunca comeram caldeirada. A minha caldeirada só com um pouco de raia, cação e bacalhau, mete "a melhor caldeirada do mundo" num chinelo. E não sou eu que o digo: "as minhas mulheres" têm a mesma opinião.
Valeu o passeio, porque o dia estava lindo e a voltinha por Melides, Comporta e Alcácer do Sal, preencheu-nos a tarde. A caldeirada era um monte de peixe aguado e sem sabor. Bem servida em quantidade, mas desenxabida que metia dó.
Ainda bem que fomos testar a "especialidade" antes de levarmos lá a família.
Está "benzido". eheheh
E agora vou para a caminha, que isto não são horas de uma criança com menos de um dia estar acordada. :)

terça-feira, 14 de março de 2017

Fechem a porta, "faxavor"

Detesto chuva, mas odeio o vento.
O vento deixa-me com maus presságios. Fico tenso e irritadiço, com a sensação de que algo de mau vai acontecer.
Moro num local ventoso, numa encosta. No outro lado da rua e até uma distância razoável (300 metros ou mais...), do outro lado do vale onde corre uma ribeira, não existe nada num nível superior ao meu (último) andar e em dias como o de ontem e hoje, a minha casa parece que vai voar.
O S. Pedro deixou a porta do quintal aberta.